segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Dia da Filosofia - 15 de novembro


A Biblioteca Escolar do agrupamento de escolas de Esgueira em articulação com a área disciplinar de Filosofia comemorou no dia 15 de novembro o Dia Mundial da Filosofia com várias atividades. Esta comemoração  tem como objetivo a reflexão sobre a importância da Filosofia na construção de sociedades justas tendo como referência os objetivos de desenvolvimento sustentável estabelecidos pela ONU, nomeadamente: o objetivo 4 que refere a necessidade da educação como ferramenta fundamental para a edificação da cidadania.  Como refere Malala YosafZai "Um livro, uma caneta, uma criança e um professor, podem mudar o mundo". A filosofia, como disciplina que desenvolve competências de reflexão, crítica, interpretação dá uma ajuda nessa construção, pois ajuda os alunos a pensarem "fora da caixa", a sentir, pensar e agir. 
No mundo atual, em que as mudanças são assustadoramente rápidas, a filosofia ocupa um lugar pertinente no sistema educativo para potencializar a reflexão e a problematização nas escolas:  como devemos viver juntos? Que sociedade estamos a construir? Que problemas éticos se colocam com a emergência de "Sofia" e a sociedade robotizada? O que é o Homem? Qual o sentido da vida? Portanto à questão:
Para que pode servir a Filosofia contemporânea? 

Pensamos que a melhor resposta é a que refere André Comte-Sponville (filósofo francês) "Para viver juntos da melhor maneira: no debate racional, sem o qual não existe democracia, na amizade, sem a qual não existe felicidade, finalmente na aceitação, sem a qual não existe serenidade. Como escreveu Marcel Conche a propósito de Epicuro, "trata-se de conquistar a paz (pax, ataraxia) e a philia, ou seja a amizade consigo próprio e a amizade com o outro.









Dia Nacional do Mar

A Biblioteca e vários professores de Português e do 1º ciclo dinamizaram atividades sobre a importância do mar.

O conto explorado foi "A menina do mar".












Oferta de equipamento informático

As Bibliotecas agradecem à BOSCH o equipamento oferecido!!




quarta-feira, 14 de novembro de 2018

"Olharapos"



Querem saber o que são os Olharapos?

Ouçam e vejam a mãe Ana Salústio: 


Já viste um Olharapo? Sabes o que é um Olharapo? 
Dizem que é um monstro enorme e assustador com um só olho gigante bem no meio da testa, e com uma cara que mete medo ao próprio susto. Estás a imaginar? 
Agora imagina que tiveste a coragem de enfrentar o Olharapo. Conseguiste vencê-lo. Ficaste mais tranquilo, acertei? 
Se olhares novamente para o Olharapo verás que até tem uma certa graça, o seu olho até parece meigo e a cara simpática e que até te podes rir dele e com ele.
Muito bem. Vou contar-te um segredo. O medo que às vezes sentes em relação a qualquer coisa é o Olharapo feio e assustador. Se tiveres coragem de enfrentares o teu medo, ele torna-se num Olharapo com graça. E tu ficas mais tranquilo.
Outro segredo, mas vou dizê-lo bem baixinho: quando tenho medo peço ajuda à minha filha. Se quiseres também podes pedir ajuda. É mais fácil e rápido.
Abracinhos 

Castanhas e S. Martinho


A criatividade das crianças não tem limites! Castanhas coloridas e sorridentes? Olhares com imaginação! Para além do que os nossos olhos vêem.....

A partir das histórias “ Maria Castanha" e "Castanha Lili", contadas pela Educadora Gracinda.












Dia mundial da bolota


O Dia Mundial da Bolota celebra-se a 10 de novembro.
Este dia tem como objetivo consciencializar a população sobre a destruição da floresta autóctone em Portugal, que é constituída principalmente por carvalhos. A bolota é o fruto do carvalho, assim como do sobreiro e da azinheira, que existem em maior abundância no Alentejo. (https://www.calendarr.com/portugal/).
A Professora Isabel Branco leu e explorou a história “Jaime e as bolotas” e a Professora Catarina Camilo explicou tudo sobre as bolotas.
Os meninos da Quinta do Simão estiveram muito bem :)










quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Formação para Pais e Professores

A Biblioteca e o Centro de Competências TIC da Universidade de Aveiro convidam professores e pais para uma formação sobre segurança na net.


Inscrições na Biblioteca e na sala de professores da escola sede.



sexta-feira, 2 de novembro de 2018

A leitura e a ciência de mãos dadas: "Saber em gel"

"Newton gostava de ler" é um projeto que associa a leitura à ciência.
Nesta caso, a leitura e exploração, pela Professora Bibliotecária, do conto "Uma guloseima para o dia do Halloween" e a experiência de fabrico de gomas, pela professora de FQ, Celeste Caetano, que também adaptou a história.
No final, os meninos do 2º ano da EB1 de Esgueira receberam gomas!







Uma guloseima para o dia de Halloween


Evelyn M. Gibb
J. Canfield; M. V. Hansen; J. Read Hawthorne; M. Shimoff
Second Chicken Soup for the Woman’s Soul
Florida, HCI, 1998
(Tradução e adaptação)


 
             O tabuleiro das guloseimas estava pronto e sentia-me ansiosa por ver chegar as crianças mascaradas. Mas, na manhã do dia de Halloween tive um ataque de artrite muito forte e, à tardinha, mal me conseguia mexer. Como sabia que ia ser difícil ir até à janela todas as vezes que passassem crianças na rua, decidi deixar o tabuleiro da parte de fora da porta e ver, de longe, o desfile das crianças mascaradas.
            Os primeiros a passar foram uma bruxinha com três fantasmazinhos. Cada um pegou numa guloseima, exceto o último, que tirou do tabuleiro uma mão cheia. Foi então que ouvi a bruxinha ralhar: “Não podes tirar mais do que uma!” Fiquei contente por a menina agir como se fosse a consciência do rapazinho.
            Seguiram-se bruxas, esqueletos, extraterrestres e mais fantasmas. Apareceram mais crianças do que as de que eu estava à espera. Como as guloseimas estavam a acabar, preparei-me para retirar o tabuleiro. Detive-me ao reparar que tinha mais quatro mascarados. Os três mais velhos retiraram um chocolate cada. Sustive a respiração, esperançada de que ainda restasse um para uma bruxinha. Mas, quando ela levou a mão ao tabuleiro, tudo o que segurava era apenas uma simples goma de laranja.
             Os outros chamaram:
            - Amélia, despacha-te! Não há ninguém em casa para te dar mais guloseimas.
            Mas a Amélia deixou-se ficar mais um pouco. Meteu a goma no seu saco e, imóvel, ficou a olhar para a porta.
            Como a menina não ia embora, a custo eu resolvi levantar-me e abri a porta. Ao ver-me a menina perguntou:
- Não tem mais gomas?
             Demorei um bocadinho a responder, porque sabia que tinha colocado todas as minhas guloseimas naquele tabuleiro. Mas senti alguma tristeza no olhar daquela menina por só lhe ter calhado uma pequena goma. Entretanto os seus colegas já tinham vindo ao seu encontro e estavam agora todos parados à minha frente. Então perguntei-lhes:
- Ainda têm um tempito? Se tiverem vou ensinar-vos a fazer gomas e depois podem levá-las todas para casa. Que dizem?
- Boa! Nós adoramos gomas. – responderam todos ao mesmo tempo.
Entraram-me, de rompante, casa dentro e não perderam pitada de como se fazem gomas deliciosas.





Evelyn M. Gibb, J. Canfield; M. V. Hansen; J. Read Hawthorne; M. Shimoff


Second Chicken Soup for the Woman’s Soul


 (Tradução e adaptação)